16877

A ABÓBADA CELESTE .'. - História e Origem.


Hiran Luiz Zoccoli M.'. I.'.
Um estudante de Maçonaria, que ESTUDA.
Curitiba - PR - 28/12/2014
Última atualização: 28/12/2014

"Algo só é impossível até que alguém duvide e acabe provando o contrário." Albert Einstein


Histórico da Abóbada Celeste e os Ritos Maçônicos.

Após a criação da Grande Loja de Londres em 1717, buscando organizar e submeter as Lojas existentes sob seu direcionamento, esta, criou em 1719 um novo ritual com características diferentes do já existente e praticado, até então, na Escócia, na Irlanda e na Inglaterra.
A Grande Loja de Londres, começou expandir sua jurisdição para outros países, que após entenderem o mecanismo, perceberam que também poderiam, nos mesmos moldes da Grande Loja de Londres, criar em seu país, uma nova potência, pois na própria Inglaterra, a partir de 1739, passou a ter duas potências: a Grande Loja de Londres ( de 1717 - chamada dos Modernos ) e Grande Loja ( de 1739 trabalhando sob a Constituição de York, até 1751, chamada a dos Antigos ) e em cada país criaram um novo rito, vamos citar conforme o Dicionário de Maçonaria, de Joaquim Gervásio de Figueiredo, os Ritos ditos maçônicos, mais conhecidos:

Real Arco ou York = apareceu em 1743, quanto a data, não existe consenso.
RMAA ( Rito dos Maçons Antigos e Aceitos ) = Criado em 1758 na França, com 25 graus.
Moderno ou Francês = Criado em Paris em 1761.
Schroeder = fundado na Alemanha em 1766, por Frederic Louis Schroeder.
Adoniramita = Criado em 1776 ou 1787 pelo barão de Tschoudy, na França.
Brasileiro = Criado no Brasil em 1878 por José Firmo Xavier. Aceito pelo Grande Oriente do Brasil através do G.•. M.•. Lauro Sodré. Porém só expandiu-se na década de 1960, com o apoio do G.•.M.•. Álvaro Palmeira.

Estes e outros ritos criados após 1720, estão baseados no Rito dos Maçons Antigos ( antes de 1717 ) e no rito criado pela Grande Loja de Londres em 1719, que levava o mesmo nome dos Maçons Antigos, o que causou confusão e consequentemente uma "mistura" de procedimentos, de posição e disposição dos símbolos maçônicos no Templo.

Racionalmente falando, digo que se a essência dos ritos fossem iguais, não haveriam diferenças gritantes, tais como: posição das colunas B e J, posição dos VVig.'., num é a P.'. C.'., noutro a P.'. C.'. Piramidal, as diferentes abóbadas em cada rito, etc. etc.
A cada rito criado, o criador diferencia dos existentes para "marcar" o que "é novo", e tenta explicar estas diferenças.

Creio ser importante destacar quatro pontos: dois são encontrados no artigo Origens Históricas do Rito Escocês Antigo e Aceito para os Graus Simbólicos.
Fonte: Rituel des Trois Degrés Symoliques – 2000 – Grand Orient de France
Tradução: Oficina de Restauração do Rito Escocês Antigo e Aceito
, pág. 05, no primeiro parágrafo, encontramos:

A - Os “Antigos” praticavam um ritual diferente daquele da Primeira Grande Loja, notadamente nos seguintes pontos: 1) as palavras do primeiro e segundo graus são Booz e Jakin e não, Jakin e Booz; 2) o Primeiro Vigilante se situa no Ocidente na frente do Venerável e o Segundo Vigilante no meio da Coluna do meio dia, em frente à Coluna dos Aprendizes; . . .

Na pagína 05, do link abaixo encontramos:


confirme:( http://www.museumaconicoparanaense.com/AR069_Ritual_REAA-sem_LOGOTIPO_1804_Aprendiz.pdf )

B - A inversão das colunas: os Antigos usavam B e J, enquanto que os ditos "modernos" usavam J e B.

C - No GUIA dos Maçons Antigos e Aceitos ( Levou o nome de Antigos e Aceitos, em 1758, na França, por acordo político, veja: http://www.museumaconicoparanaense.com/videos/Rev_Hist_Maconaria_COMPLET/Rev_Hist_Maconaria_COMPLET.php ). Editado no Brasil em 1834 e reeditado em 1857, encontramos na pág. 41 e 42, a seguinte pergunta:

Que forma tem vossa Loja?

 


Percebe-se claramente que o linotipista inverteu as perguntas ou as respostas, passando desapercebido pelo revisor, entretanto, sabemos que a resposta: Do meio-dia ao Septentrião, refere-se largura da Loja, ou seja, do equador ( onde "aparentemente" passa o Sol = 2 Vig. ao meio dia, observa o Sol no meridiano ) ao Norte, numa demonstração de localização específica da Loja ter a forma para o hemisfério Norte terrestre.
Os maçons chamados de "modernos", da Grande Loja de Londres, quando criaram o novo ritual de 1719, modificaram os termos usados pelos antigos, passando a largura da Loja, ser do Norte ao Sul.
Esta pequena modificação, aparentemente inocente e correta, só teve comprovação científica da década de 1960, quando cientistas demonstraram que mesmo sendo a Terra UNA, existe uma força, chamada de Coriolis, atuando de uma forma no hemisfério Norte e esta mesma força atuando de forma igual,
mas oposta, no hemisfério sul.
Esta força está relacionada ao movimento, além deste, para os Templos localizados no Hemisfério Sul, devido o movimento de translação da Terra, estar na metade do período do outono, todo o período do inverno e metade do período da primavera, no escuro ( seis meses ), portanto o 2 Vig. não poderá observar o Sol no meridiano, ao meio dia no hemisfério Sul, pois copiamos a distribuição dos oficiais na Loja, exatamente como estão distribuídos no hemisfério norte.


O Eixo e o equador no Templo Maçônico.

O Templo ( piso ) representa o Globo Terrestre, portanto tem um eixo.
O que é um eixo?

 

 

Eixo é uma linha reta (imaginária ou real) que atravessa o centro de um corpo e em torno da qual esse corpo executa (ou pode executar) movimentos de rotação. Um exemplo é o eixo terrestre, a linha imaginária que cruza o centro da Terra. O planeta gira em torno desse eixo, cujos extremos são os pólos Norte e Sul.

Considerando que o piso do Templo representa o Globo Terrestre e que o Sol nasce no Or.'., temos esta posição do Globo Terrestre no piso.

 

 

Embora alguns IIr.'. afirmem que o teto do Templo, por representar o firmamento celeste, este deveria ser abaulado, arredondado; afirmamos não ser necessário, uma vez que podemos representar uma esfera num plano, chamamos de planisfério. Imagine representar o piso do Templo arredondado, para informar que representa o Globo terrestre. Ficaria difícil a movimentação no interior do Templo.

 

 

Embora o Globo terrestre seja UM, existe um movimento das águas, dos ventos, etc. em cada hemisfério de forma igual e oposta ( uma inversão ), não podemos ignorar este fato, hoje cientificamente comprovado.

O que permite dar mais crédito a resposta dos Maçons ANTIGOS, sobre a largura ( do Templo ) é do meio-dia ao septentrião, para os localizados no hemisfério norte.

Para ampliar o conhecimento nesta área, poderão acessar a ÁREA RESTRITA do Museu Maçônico Paranaense, neste link : http://www.museumaconicoparanaense.com

Como e quando surgiu a abóbada celeste na maçonaria?

A abóbada celeste é citada nos rituais antigos, vamos fazer citação cronológica para melhor entendimento dos IIr.'., e quando houver necessidade vamos inserir a imagem da abóbada constante no ritual.

Difícil afirmar com plena convicção, temos apenas uma pista com o Guia dos Maçons Antigos e Aceitos ( levou o nome de Maçons Antigos e Aceitos na França em 1758 ), editado na língua portuguesa em 1834 e reeditado em 1857.

No sub título: INSTRUÇÕES, pág, 43, encontramos:

 

 

No Ritual de 1800 - ( Traduzido do Francês pelo Ir.'. Antonio Gouveia Medeiros ), no sub título Instruções - é citado apenas este trecho:
P. Está coberta a Loja?
R. Se, por uma abobada celeste de variegadas nuvens.

No Ritual de 1804 - pág. 36 ( Traduzido do Francês pela Oficina de Restauração do Rito Escocês Antigo e Aceito - Porto Alegre - RS ), sub título Instruções - é citado:
Venerável – Vossa Loja é coberta?
1º Vigilante – Sim, por uma abóbada celeste de nuvens de diferentes colorações.
Na pág. 07 e 08, encontramos:

- Um lugar elevado sobre um degrau com um altar, um pouco à frente da coluna J
para o Segundo Vigilante.

- Um lugar elevado de dois degraus com um altar, um pouco à frente da coluna B
para o Primeiro Vigilante.

Neste mesmo Ritual de 1804, é citada esta posição dos VVig.'. na pág. 05, como específica dos maçons "Modernos", cujo Ritual foi criado pela Grande Loja de Londres, em 1719.

Em 1839, estudiosos e cientista, reuniram de definiram que os mapas deveriam ser confeccionados figurando na parte superior, os continentes existentes no hemisfério norte, e na parte inferior, os continentes existentes no hemisfério sul, e dividindo o globo terrestre em 24 horas ou 360 graus, tendo como ponto de partida a 0 ( Zero ) hora ou 0 ( Zero ) grau, no meridiano de Grenwich. Pois até então cada cartógrafo confeccionava seu mapa conforme seu entendimento.

( Veja o vídeo: http://www.museumaconicoparanaense.com/videos/Rev_Hist_Maconaria_COMPLET/Rev_Hist_Maconaria_COMPLET.php )
Alguns anos mais tarde, estabeleceram forma semelhante para localizar as estrelas celestes, usado desta feita como longitude a Ascenção reta e para a Latitude, a Declinação ( 90 graus ) norte ou sul, conforme a situação.

As colocações que faço para a Abóbada Celeste na Maçonaria, estão fundamentadas nos estudos realizados por estas pessoas, aperfeiçoados ao logo deste tempo, usando dados astronômicos fornecidos pelo CNPq-Observatório Nacional ( Publicação do Ministério da Ciência e Tecnologia - ISSN 0101-935X ), portanto, NÃO SÃO ANACRÔNICOS, são dados CIENTÍFICOS, e sem ACHISMOS, não uma opinião pessoal. ( Veja o vídeo: http://www.museumaconicoparanaense.com/videos/Templo_Maconico_HLZ_COMPLETO/Templo_Maconico_HLZ_COMPLETO.php )

Hoje, na Maçonaria MODERNA, o Rito é dono da sua verdade, cada Rito criado tem seu SOL, sua LUA, sua TERRA e seu CÉU particular, como se estes não estivessem sendo executados por seus praticantes no globo terrestre e não influenciados pela Leis Físicas que atuam sobre o Globo Terrestre.

 


Sim, porque cada colocação feita, costumam dizer: "isto" de "tal" rito, o rito "tal" não usa assim, o rito "tal" não tem.

Supondo que tivéssemos que fazer uma decoração do mapa do Brasil no teto do Templo e usássemos esta imagem ao lado, tenho certeza que haveria uma "gritaria" geral dos IIr.'., apontando que o nome dos Estados brasileiros, estão errados nesta colocação.

É um absurdo estar nominando o Piauí, no local do Rio Grande do Sul, ou Pernambuco no lugar do Mato Grosso, erros grosseiros e inadmissíveis.

Isto deve-se ao fato que todos nos conhecemos a posição correta de cada Estado brasileiro no mapa do Brasil.

Bem . . . !!! Quando estudei no Grupo Escolar "Belizário Pena", no quarto ano primário ( e já faz tempo, da década de 950 ), aprendi que o Nosso Sistema Solar tinha o Sol (1) no centro, em seguida era a posição de Mercúrio (2), Vênus (3), Terra (4), Marte ( 5 ), Júpiter (6), Saturno (7), Urano (8), Netuno (9) e Plutão (10).

Quando foi editado o Ritual do GOB, em 1981, a posição dos planetas no Sistema Solar haviam mudado e alguns planetas "desaparecidos",
a ordem agora era: Sol (1), Mercúrio(2), Júpiter (3), Saturno (4) e Vênus (5), achei estranho, mas com todo o conceito que tem a Maçonaria e seus participantes, não discuti debrucei-me sobre livros de astronomia para entender a radical mudança do Sistema Solar. Como eu estava enganado, ou melhor, como os Maçons e Maçonaria estão enganando-se.

Fazem mais de 30 anos que venho falando, mostrando, discutindo e buscando esclarecer os IIr.'. que as Abóbadas Celestes usadas nos rituais do GOB, das GLM e da COMAB, estão ERRADAS.

Só na Maçonaria os planetas que fazem parte do Nosso Sistema Solar não seguem a mesma ordem com que estão no Universo.

Observem onde está colocado o planeta Vênus, Júpiter e Saturno . . . não vou falar das estrelas com nome de constelações, os interessados assistam o vídeo do último link.
Mesmo com estes erros grosseiros e absurdos, continua em vigor o que foi descrito por Albert Pike em 1872, portanto quase 150 anos sem que corrijam estes erros básicos, por não estudarem o assunto, simplesmente aceitam.

Concluirão no vídeo acima, que minha proposta não é um opinião anacrônica e pessoal, e sim fundamentada cientificamente, propondo que a Abóbada Celeste na Maçonaria seja uma réplica estática do contido no Universo, mesmo que não seja, HOJE, referendada pelo GOB, ou pela GLM, ou pela COMAB. Certamente qualquer um que estudar um pouco de astronomia concluirá sobre os erros existentes e a necessidade de correção.

Mesmo que reunam-se TODOS os GRÃOS MESTRES existentes no Brasil para em conjunto assinarem um decreto determinando a mudança de local de um ou mais planetas, estes jamais deixarão seu local de origem e mudarão sua trajetórias para atender um decreto de alguns simples mortais. POR FAVOR, ACORDEM !!!!!!

Rituais das Grandes Lojas no Brasil.

Observação: Meu Ir.'., caso tenha um Ritual de ano anterior ao exposto, com imagem da abóbada, por favor envie, atualizaremos.

A cisão no GOB, em 1927 ( para quem tiver interessado em saber mais - clique aqui ), deu origem as Grandes Lojas no Brasil, e consequentemente, um novo Ritual, que foi publicado em 1928.

Este Ritual das Grande Lojas (em 1928, foram impressos pela mesma tipografia, na cidade do Rio de Janeiro, os rituais da Grande Loja do Rio de Janeiro e da Grande Loja do Rio Grande do Sul, só mudando os dizeres na capa) e aparece aqui, pela primeira vez uma descrição mais ousada da abóbada celeste no Templo maçônico, encontrada nas págs. 13 e 14.

 

 

Compare com o texto de Albert Pike, livro "O Pórtico e a Câmara do Meio, pág. 23:

 

 

Por que é tão diferente do Ritual do GOB de 1927?

Para a confecção deste novo ritual, os IIr.'. da época tiveram por base os escritos de Albert Pike, especificamente do "O Pórtico e a Câmara do Meio", publicado nos Estados Unidos em 1872. Este foi traduzido para o português por Fabio Cirino e editado pela Editora Landmark Ltda. Na pág. 15, encontramos:

 

 

Observe que Pike utilizou também O Regulador dos Maçons para o Rito Moderno, para um Ritual do REAA, e é chamado de PAI do REAA Moderno, talvez seja este o motivo.

Este Ritual impresso pela Grande Loja de São Paulo, editado em 1951, é o primeiro ( que tenho confirmado ), a inserir esta imagem da abobada celeste. Obs.: Em 1957, foi utilizado pela Grande Loja Unida de São Paulo.

 

 

 

 

 

Em 1957, os Rituais foram impressos pela Grande Loja de São Paulo, tendo impresso na capa: "Adotado pela Maçonaria Simbólica Regular do Brasil" e usados por outros estados brasileiros conforme podemos comprovar nas imagens abaixo, Grande Loja de Minas Gerais, de Santa Catarina, do Ceará e outros Estados brasileiros.

A imagem da abóbada celeste permanece a mesma inserida no Ritual de 1951, mesmo porque foi publicado pela Grande Loja de São Paulo, conforme poderão confirmar ( seta ).

 

 

 

Em julho de 1979, no XI Congresso da Maçonaria simbólica do Brasil, realizado no Estado do Rio de Janeiro padronizam o Ritual das Grandes Lojas no Brasil.
Importante observar aqui, no alto da capa: A.'. A.'. e L.'. M.'. ( Antigos Aceitos e Livres Maçons ) e no rodapé: RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITO, provavelmente este é mais um dos motivos que levou os IIr.'. a chamarem o REAA de "colha de retalhos".

 

 

 

 

Até onde conseguimos constatar, a primeira modificação, melhorando a imagem da abóbada celeste foi no Ritual da Grande Loja do Mato Grosso do Sul, em 1984 ( abaixo ).

 

 

 

 

Com o passar dos anos e o avanço técnico da arte gráfica, o desenho desta abóbada celeste foi melhorado, mas mantendo a mesma disposição dos Planetas e estrelas, conforme poderão confirmar nas imagens abaixo, como se estas expressassem a posição que ocupam no Universo.

 

 

 

 

Sem dúvida ficou apresentável, bonito, agradável aos olhos e para explicar criaram até um novo ângulo de visão, como se estivéssemos vendo-a do infinito para a Terra.
Conforme dito popular: Uma imagem vale por mil palavras, vamos inserir imagem do
nosso Sistema Solar e da abóbada usada nos Templo Maçônicos, comparadas:

 

 

 

Vendo estas imagens de baixo para cima ou mesmo de cima para baixo ou do infinito, observando a posição dos planetas, sem muito esforço perceberemos estarem erradas, pois os planetas movimentam-se em torno do Sol, cada qual em sua órbita.
Sendo este o mais simples de ser observado, creio não ser necessário apontar os erros das constelações e suas estrelas, pois exigiria várias páginas para explicar detalhadamente.

Rituais do Grande Oriente do Brasil.

Observação: Meu Ir.'., caso tenha um Ritual de ano anterior ao exposto, com imagem da abóbada, por favor envie, atualizaremos.

Rituais do REAA (GOB).

No Ritual do REAA, o primeiro editado pelo GOB, em 1874, no sub título Instruções, é citado apenas este trecho, que permaneceu nos Rituais até 1997:
VEN. . — Está coberta a Loja?
2ºVIG. . — Sim, por uma abobada celeste de variegadas nuvens.

Nos rituais do REAA, editados em 1998 ( pág. 144 ) e 2009 ( pág. 176 ), quando foram revisados, mudaram para:
Ven.'. - Ir.'. 2 Vig., a nossa Loja está Coberta?
2 Vig.'. - Sim. Por uma abóbada celeste.

No sub título: Disposições e Decoração do Templo - Aparece pela primeira vez no Ritual editado em 1898, a citação abaixo, que permanece nos Rituais editados até 1979.

 

 

Já no Ritual do REAA, editado pelo GOB em 1980, esta pequena citação desaparece.
E nenhuma outra alusão a abóbada celeste é feita neste sub título, até mesmo na edição de 2009.

Entretanto, no Ritual do REAA do GOB, editado em 1981, foi inserida a primeira imagem de uma abóbada celeste, sem qualquer texto explicativo e mantiveram-na até 1997.

 

 

 

 

Na edição do Ritual de 1998, revisado, mudaram para esta imagem ( abaixo ), mantendo a posição dos planetas e estrelas.

 

 

 

 

No meu entender, o que fizeram foi melhorar a apresentação desta abóbada celeste, mas não inseriram um texto explicativo, só colocaram uma NOTA: os nomes são ilustrativos.
Ilustrativo: Aquilo que se complementa através de imagens.
Que serve para esclarecer ou exemplificar algo.
Aquilo que é elucidativo. De modo ilustrativo, demonstre suas idéias.

Bem, aqui fica uma pergunta, considerando que a altura do Templo é da superfície da Terra ao Céu, devemos representar este Céu de forma ERRADA? Devemos representar os planetas do nosso Sistema Solar mudando a posição destes planetas no teto do Templo?


Quase deixou-me em dúvida a posição correta das CCol.'. B e J ou J e B, pois na pág. 26 ( Abóbada Celeste ) apresenta J e B e na pág. 22 ( Piso do Templo ) apresenta estas como B e J.

 

 

 

 

Diante de "equívocos" primários cometidos, creio não necessário apontar e demonstrar onde deverão estar as estrelas e constelações em seu local original no universo para estarem bem representadas no teto do Templo Maçônico.

 

O último "Instrucional Maçônico do GOB, para o REAA", repete a mesma disposição dos planetas, constelações e estrelas, da abóbada celeste no Ritual publicado em 1981, mas está baseada em que fundamento? Onde está o arcabouço (=estrutura, esqueleto, a base) doutrinário do REAA? No Ritual da Grande Loja de São Paulo de 1951? Ou no Ritual da Grandes Lojas de 1928?
Os responsáveis pela alteração da abóbada celeste no Ritual do REAA publicado em 1981 usaram como base a do Ritual das Grandes Lojas, que é uma cópia do texto contido no livro "O pórtico e a Câmara do Meio, de Albert Pike, publicado em 1872.

E, os Grandes Secretários posteriores, continuaram copiando, copiando . . . , sem preocuparem-se com o conteúdo e estarem PERPETUANDO MAIS UM ERRO GROSSEIRO NA MAÇONARIA.
Entendam a abóbada celeste e confirmem como é simples e fácil a decoração, acessando este link: http://www.museumaconicoparanaense.com/videos/Templo_Maconico_HLZ_COMPLETO/Templo_Maconico_HLZ_COMPLETO.php
( vídeo de 01:30 - Uma hora e trinta minutos)

Rituais do Rito Moderno (GOB).

O primeiro Ritual do Rito Moderno (GOB), do 1º Grau a inserir uma imagem da abóbada, foi na edição de 1988, já em 1999, houve modificação, como podem observar e em 2009, temos:

 

 

 

 

 

 

Rituais do Rito Adoniramita GOB).

O primeiro Ritual do G1 (GOB), a receber uma imagem da abóbada foi na edição de 1979, em 2009, apresenta esta abaixo.

 

 

 

 

 

 


Rituais do Rito Brasileiro (GOB).

Nos Rituais do Rito Brasileiro, até 2003, permaneceu esta descrição da abóbada e em 2009 foi inserido no Ritual está imagem da abóbada.

 

 

 

 

Normas de procedimentos ritualístico.

Além dos Rituais atuais terem "engordado" ( maior número de páginas que os Rituais antigos, independente do Rito ), na década de 80 apareceu um "complemento", criado por Grandes Secretários, chamado por uns "Normas de procedimentos ritualístico" e alguns outros, como "Instrucional Maçônico" e ainda, "Aplicação Interpretativa dos Rituais Maçônicos", buscando padronizar procedimentos para todos os IIr.'. executarem, mesmo em cima de interpretações erradas, em harmonia uníssona no Brasil desviando a atenção dos erros contidos, resumindo: Procedam como aqui está descrito, em outras palavras - executem, não pensem.


Só na Maçonaria os planetas que fazem parte do Nosso Sistema Solar não seguem a mesma ordem com que estão no Universo.

 

Vamos apenas citar as constelações zodiacais, observem que 6 destas constelações estão localizadas no hemisfério norte celeste e as outras 6, no hemisfério sul celeste, como figurar estrelas principais destas constelações aleatoriamente como é feito nas abóbadas acima.

É necessário coragem e ação para corrigir o que está errado em maçonaria e deixar de perpetuar os absurdos legados por nossos antecessores, para não sermos acusados e chamados de relapsos ignorantes, por nossos IIr.'. no FUTURO.

Não importa qual o rito praticado, se for praticado no Globo Terrestre e se o Templo estiver representando o Universo é necessário expressar no teto do Templo a realidade existente, desde a criação deste.
Empregue 3 minutos para avaliar o conteúdo:
http://www.museumaconicoparanaense.com/videos/correcao_dos_rituais/correcao_dos_rituais.php

 

PODERÁ INTERESSAR:

Entenda em poucos minutos o que demorei anos para concluir.

Seja também você, meu Ir.'. um colaborador na divulgação deste para tentarmos elucidar outros irmãos interessados e em estudar a filosofia Maçônica, e ao mesmo tempo, acabar com as "fantasias" criadas e trabalharmos para o crescimento da partícula do G.'.A.'.D.'.U.'. em cada participante do ritual maçônico.

Certamente muitos irmãos valorizarão ainda mais o ritual maçônico, que nos coloca frente a frente com o SAGRADO, o "Sancto Santorum" em cada um de nós.

http://www.museumaconicoparanaense.com/videos/Heranca_corrompida_deturpada/Heranca_corrompida_deturpada.php
( Pode copiar o link e colar noseu navegador )

"Algo só é impossível até que alguém duvide e acabe provando o contrário." Albert Einstein

Meus agradecimentos pela atenção e recebam um abraço FRATERNO.

Hiran Luiz Zoccoli

Museu Maçônico Paranaense
http://www.museumaconicoparanaense.com
Curitiba – Paraná - Brasil

As BIBLIOTECAS no MUSEU MAÇÔNICO (Pública e Restrita ) somam mais de 2.000 arquivos para baixar, inteiramente grátis.
CONFIRA:
http://www.museumaconicoparanaense.com/index_biblio_incial.php