Autoridades na Maçonaria Brasileira.
Documentos.
De uso.
Você está em : Academia Paranaense de Letras Maçônicas.
RESUMO HISTÓRICO : - Cadeira 25 - João Tibiriça.

 

João Tibiriça Piratininga – Cadeira 25.

 

Nascido em Itu (SP), a 7 de agosto de 1829, e falecido em Nice, na França, a 1º de dezembro de 1888, João Tibiriça Piratininga foi agricultor e político, além de, embora não chegando a ser implantada a República, um dos maiores líderes republicanos da Província dse São Paulo, injustamente pouco citado pelos historiógrafos.
Quando jovem ele frequentou um curso de agricultura, mineralogia e geologia, o que lhe permitiu ter grande controle técnico sobre a produtividade de suas terras, Regressando ao país e à Província de São Paulo, dedicou-se à agricultura, em Moji-Mirim, na sua fazenda "Ressaca". Frequentando os meios intelectuais da região de Itu e da Capital da província., altamente influenciados pelo pensamento maçônico, tornou-se maçom, provavelmente através da Loja "Amizade", pertencendo, bem posteriormente, à Loja Beneficência Ituana".
Datam desa época as suas tendências republicanas. Em 1870, com a publicação do Manifesto Republicano de 3 de dezembro, de inspiração maçônica e liderado por Saldanha Marinho, seu entusiasmo pelas idéias republicanas aumentou, levando-o a fundar, em 1871, o Clube Republicano de Itu, do qual foi eleito presidente, dado o seu espírito de liderança. Isso aconteceu a 10 de novembro daquele ano, quando setenta e oito republicanos reuniram-se, sob a direção de João Tibiriça, com a finalidade de organizar o partido republicano local, criando o Clube, para servir de núcleo e centro do partido.
A 18 de abril de 1873, na residência de Carlos Vasconcelos de Almeida Prado, em Itu, foi realizada a primeira convenção Republicana do Brasil, importantíssima e que passara à história como a A Convenção de Itu"; o ato contou com a presença das principais lideranças políticas que trabalhavam pela implantação do regime republicano, que se apresentaram como delegados dos clubes republicanos de Campinas, Botucatu, Amparo, Jundiaí, Bragança Paulista, Constituição (depois Piracicaba), Jaú, Capivari, Itu, Itapetininga, indaiatuba, Miji-Mirim, Itatiba, Sorocaba, Porto Feliz, Vila de Monte Mor, Tietê, São Paulo e Rio de Janeiro, num total de cento e trinta e quatro convencionais. A presidência da Convenção coube a João Tibiriça, num reconhecimento de sua liderança e de seu trabalho em prol da causa republicana, cabendo as funções de secretário a outro maçom: Américo Brasiliense, um dos lideres republicanos da capital da província.
Além de atividades políticas, Tibiriça tembém foi um dos criadores do jornal A Província de São Paulo, onde publicou diversos estudos sobre geologia e agricultura.

(Extraído do livro "A Maçonaria e o movimento republicano brasileiro" de José Castellani - Editora Traço - 1989 - pág. 78 e 79 )