Autoridades na Maçonaria Brasileira.
Documentos.
De uso.
Você está no local assinalado em vermelho.
Lojas fundadas no Estado do Paraná, até 31/05/1973
Loja de adopção "Filhas da Acácia" - Curitiba - PR.
Grande Oriente e Supr.·. Cons.·. do Brasil (1902/20)
Loja de adopção "Filhas da Acácia" : RESUMO HISTÓRICO - Regularização da Loja e Discurso.
 
Regularização da Loja.
 
No dia 22 de março de 1902, a Loja de Adoção "Filhas da Acácia", envia correspondências as Lojas:
"Tendo a Sob.´. Ass.´. Ger? do Gr.´. Or.´. do Brasil, resolvido em sua alia sabedoria conceder-nos Breve Constitutivo, temos o prazer de convidar essa Resp.´. Loj.´. a fazer se representar na Ses.´. Solemne de regularização que deverá ter lugar em 7 de Abril, pelas 7 horas da noute, no Templ.´. da Aug.´. e Resp.´. Loj.´. "Acacia Paranaense".
Que a Gr.´. Arch.´. do Un.´. vos illumine e guarde.
Secret.´. da Aug.´. Loj.´. d'Adopção "Filhas da Acácia", Cl.´. de Curityba, em 22 de Março de 1902 ( E.´.V.´.)

A Secr.´. Int.´.
tg(ass.) Leopoldina Schleder Gr.´. 3.´.


Sua Diretoria ficou assim constituida:

Venerável - Josefina Pereira Rocha;
1ª Vig. - Mad. Francisco Simas; ( Ascânia Cordeiro de Simas )
2ª Vig. - Augusta Schleder,
Oradora - Marianna Coelho;
Secretaria - Leopoldina Stresser Schleder;
Tesoureira - Mad. Robine;
Secção de Beneficência - Baroneza do Serro Azul ( Maria José Correia ),
Guarda da Torre - Maria Graitz;
Mestre de Cerimônias - Zoraide Guimarães.
Para instrutor foi designado o irmão Anibal Pires."

No Boletim Oficial do Gr.´.´. Or.´. do Rio Grande do Sul, Ano XI, nº 3, de Agosto do 1902, pág. 196 a 201, encontramos:

DISCURSO

PRONUNCIADO PELA ORD.´. DA AUG.´. LOJ.´. DE ADOPÇÃO, FILHAS DA ACACIA, DE CURITYBA, NO ACTO DA SUA REGULARIZAÇÃO.

Ill.´. e Pod.´. Com.´. Regular.´.
Amabilissima Ir.´. Gr.´. Mest.´.
Pod.´. e Dig.´. Ir.´. Ven.´. da "Acacia Paranaense".
Minhas caras IIr.´.
Muito dignos IIr.´.

Investida no nobre cargo de oradora da Aug.´. e Resp.´. Loj.´. Filhas da Acacia, preferencia com que me honrou a nossa digna Ir.´. Gr.´. Mest.´., e que vós, minhas IIr.´. e meus IIr.´., secundastes com o vosso inequivoco applauso - obrigando assim a minha indelevel gratidão, em presença das distinctas commissões e IIl.´. IIr.´. visitantes que vieram abrilhantar o acto solemne de inauguração desta Loj.´. de Adopção, eu assumo, naturalmente receiosa, esta tribuna, porque não disponho de tão vastos recursos de intelligencia e instrucção como o distinctissimo orador que me procedeu e que acaba de prodigalisar a esta Loj.´. as mais penhorantes referencias; assim como não disponho de dotes oratorios e de pratica que me ajudem a dar ao importante papel que me confiaste um de sempenho completo, ou pelo menos satisfactorio.
Assumo-a, porém, com a alma a transbordar de enthusiasmo, empolgada pela mais profunda commoção, destas que raras vezes se sentem na vida, para felicitar a distincta Loj.´. Acacia Paranense, em particular, e á Maçonaria do Estado, em geral, pela sua feliz iniciativa da creação utilitaria e sympathica de um Loja de Adopção nesta capital.
Respeitemos, carissimas IIr.´., este facto tão digno de bem impressionar não só os espiritos liberaes e altruistas deste grande e adeantado paiz, como todo o mundo verdadeiramente civilisado; e afaguemos a esperança de que as Filhas da Acacia hão de saber cooperar condignamente na grandiosa obra secular, e talvez prehistorica, do progresso moral a intellectual da humanidade, por cujo feliz exito tantos obreiros se teem esforçado, abnegados e resolutos.
Provemos nós tambem o nosso natural interesse por este progresso, com acrisolado amor, com um bem dirigido trabalho no restricto cumprimento de todos os deveres inherentes aos elevados fins da Instituição Maçonica, emancipemo-nos de erros e preconceitos que só servem de perigoso entrave á nossa marcha triunphal para a desejada a meta, e teremos correspondido lealmente ao bello ideal de altruismo que anima e impelle a generosa Instituição Maçonica.
E, acompanhando conscientemente, deste bello trecho da America do Sul, IIr.´. Ill.´. que trabalham pela mesma causa em varios pontos do globo, honramos igualmente a memoria do benemerito titular francez, marquez de Saisseval, fundador da Maçonaria das senhoras, em França, - onde as lojas de Adopção tomaram tal desenvolvimento em principios do seculo passado, que se notabilizaram com o mais frisante brilhantismo pelos seus feitos sublimes de philantropia, na sacratissima missão de suavisar a dor a todos os opprimidos.
O nosso auxilio, minhas IIr.´., na magestosa obra do progresso humano, pode ser altamente productivo; contamos, para justificar esta asserção, com o nosso coração e intelligencia, que nos impellirão a tornarmo-nos dignas e verdadeiras companheiras do homem, na pratica de tudo o que obedece á nossa sublime divisa: - amar e compreender.
Saibamos corresponder pelos nossos actos, na vida privada como na publica, a um conceituoso pensamento do delicado e austero escriptor, Alexandre Herculano: "Onde está a mulher está a irmã de caridade. O seu espirito adeja em volta do padecer humano, para se precipitar nelle, como a mariposa á roda de uma luz." É o seu instincto, a sua indole, o seu destino".
A Instituição Maçonica, minhas IIr.´., á qual já temos a honra de pertencer é, não só a mais altruistica e abnegada que conheço, como tambem a mais pura. Para avaliarmos o seu atruismo, a elevada nobreza de seus fins, basta-nos-á ponderar a sua captivante tolerancia, pois que recebe á mesa da communhão dos seus sublimes ideaes, Irmãos de todas as crenças - politicas como religiosas; e para avaliarmos a sua pureza é sufficiente reconhecer que não admite no seu seio, não pode admitir nem consentir, um caracter reconhecidamente indigno. Só detestando o atheismo e a impiedade, ella faz uma guerra moral, constante, ao vicio e á ignorancia. Sempre perseguida e calumniada pelos seus tradiccionaes detractores, ao mesmo tempo que protegida e illustrada por vultos das primeiras posições sociaes, ella acompanha magestosmanete serena, sublimemente silenciosa e com um criterio verdadeiramente providencial, a marcha evolutiva dos seculos, surgindo e resurgindo triumphante e immaculada na eloquencia incontestavel dos factos.
Assegura-se, e talvez com razão, que a Maçonaria actual, comparada com a de remotas epochas está, relativamente ao seu dominante prestigio de outr'ora, em sensivel estado de decadencia, pelo facto de ser menos meticulosa, menos exigente, na admissão de seus membros. O resultado, porém, de tal confronto, nada pode depôr contra esta benemerita Ordem. O facto de que nem todos os membros são de caracter irreprehensivel, não póde, absolutamente, influir na natureza illibada, verdadeiramente essenia, da Instituição. A sua pura moral, de uma simplicidade toda evangelica, é uma perfeita imagem da bella moral de Christo, cuja vida foi afectada de brilhantes exemplos maçonicos. A Maçonaria é, em summa, no dizer de um illustre pensador, a religião universal.
Eu sinto, minhas IIr.´., e meus IIr.´., desde que a minha alma é revigorada pelas fraternaes theorias maçonicas, um elo muito mais forte de sympathia estreitando-me á humanidade sofredora; sinto a voz da consciencia insinuar-me mais alto o que devo ser nesta paragem terrestre onde fui collocada pela vontade suprema do Grande Auctor da natureza Deus. Legou-nos Lavater um pensamento, que é a mais summaria e adptavel definição da nobre Instituição a que pertencemos; diz elle: "Aquelle que ama sem interesse, vive em harmonia com o manancial de todo o amor e com todos os que nelle bebem".


*
* *

Agita-se, minhas IIr.´., em todos os pontos do mundo liberal, uma grave questão, sobre a qual a minha consciencia de mulher que compreende o que significam as palavras - progresso e evolução, de mulher que trabalha, convicta, pela emancipação feminina, me manda externar o que sinto. Fazendo-o, cumpro, por consciencia, um dever. Demais, ninguem pode negar-me o direito de pensar e opinar, de abordar, emfim, qualquer assumpto da actualidade, moral como social.
Um escriptor de fina tempera, a quem já aqui me referi, predisse, ha trinta annos, a reação a que ora obedeceu o partido liberal europeu, expulsando as congregações jesuiticas - que tão negras paginas legaram á historia - e a sua consequente agonia. É voz geral, como sabeis, de que essas aves de arribação veem em demanda do nosso Brazil democrata e livre.
Apresso-me a fazer a reflexão de que não venho aqui proclamar a guerra a esses homens, que são, afinal, nossos irmãos; eu venho proclamal-a a uma classe tão naturalmente hypocrita; que precisa da hypocresia para se sustentar.
Urge, no momento que atravessamos, que reforcemos quanto possivel fôr o dique opposto por nossos IIr.´. e por todos os espiritos liberaes e cultos, á onda invasora do jesuitismo que, na continuação do seu tremendo labutar de seculos, ameaça submergir e perder os incautos desta parte do Novo Mundo, no conhecido e abysmal oceano do mais absurdo e caduco obscurantismo. Levantemos, vigilantes e sem demora, uma firme barreira, digna do seculo XX, ao sinistro espectro desse tronco secular, cujas ramificações desde Loyola até nosso dias se teem espalhado por toda a terra, usofruindo a herança que o seu ridiculo fundador lhe legou, e onde se teem multiplicado impunemente mercê de uma tolerancia, que na Europa expira, emfim, até nos paizes mais fieis ao catholicismo romano.
E quando não possamos fazer recuar por completo essa onda, e quando não possamos fazer baquear no seu pedestal oscilante, até ao anniquilamento, o cambaleante espectro dessa seita fatal, demos ao menos um formidavel exemplo a certas associações que tendem a desenvolver-se neste Estado, especie de filiaes da associação-mãe, facto que representa, para nós, os progressistas, um significativo toque de rebate chamando-nos ao nosso posto.
Ah! se nós, na nossa faina progressista, podessemos varrer da face da terra as manchas que ainda obscurecem o sol da civilisação, os escolhos que surgem na estrada do progresso . . . fariamos uma completa razzia. Pricipiariamos por converter á nossa civilização o barbarismo, por eliminar desde a primeira á ultima edição, toda a especie de sultanados a que ainda está escravisada uma parte consideravel do sexo fragil, e demoliriamos todas as velharias inuteis na nossa epocha - na epocha das luzes, de cuja demolição se não eximiria, consequentemente, o Vaticano, e de cujas ruinas surgiria bello, immenso, dominando de um ao outro extremo da terra, o templo dignificante da nossa suspirada confraternisação universal.
. . . Um sonho apenas!
Eu tenho realmente pena, minhas IIr.´., de ver uma grande parte do meu sexo hypotecada á calculada tutelajesuitica obsecada pelas suas gastas theorias, quando o seu auxilio podia contribuir tão efficazmente para o engrandecimento da patria e da humanidade - engrandecimento que o seculo actual nos exige. - Como se não bastasse a falta de tantos corações perdidos para a ventura do lar; como se não bastasse a falta de tantos braços inutilisados pela tonsura, para o concurso commum do trabalho na grande obra da felicidade e do progresso humano.
Eu desejaria, portanto, poder levar á intelligencia de toda mulher fanatisada, o convencimento de que a pratica emanada das theorias fanatico-clericaes, quando não fosse retrogada, era pelo menos estacionaria; e que temos o rigoroso dever de seguir a todo o custo a rota apontada pelo progresso, porque só essa nos saberá conduzir na nossa gloriosa ascensão ao ponto culminante de luz, para o qual todos os nossos esforços devem convergir.
É absolutamente impossivel, minhas IIr.´., que o padre verdadeiramente esclarecido inculque e sustente absurdas theorias por convicção. Não pode, porém, deixar de escoral-as, porque é essa uma condição imposta pelo seu estado para manter a dignidade do seu chefe ou da sua seita; d'onde se deduz, sem mais preambulos, que é uma dignidade de officio, isto é, uma dignidade que tem por sustentação a mentira. E é justamente neste ponto, é em face dessa falsa posição obrigada que sinceramente os lastimo; porque emfim . . . elles adormecem livres e acordam escravos.
Como sabeis, minhas IIr.´. e meus IIr.´., Victor Hugo, nos seus ultimos paraxismos, a alguem que lhe lembrou um confessor, objectou que não precisava de intermediario para com Deus. Entretanto, a prova inconcursa da pureza da sua crença, prova tão summaria como categorica, está nas suas ultimas palavras: "Creio em Deus".
Eu tambem creio em Deus, ó Victor Hugo - o amigo desvelado das creanças, o eterno defensor dos infelizes. Eu tambem amo e adoro, até á exaltação, a moral que o meigo e amoravel Nazareno insinuava exemplar e exempleficadamente. Mas, para alimentar e exercer essa moral encantadora, para enviar nas azas da fé uma sentida préce até Deus, será necessaria a intervenção do padre?
Não é.
A oração mental da virgem, a préce que se evola dos roseos labios das creancinhas, as lagrimas supplicantes da humanidade purificada pelo soffrimento, não são, por certos, menos puras que a intercessão encarecida dos escravos da Egreja de Roma.
Eu tenho a intima convicção de que Deus prefére a pureza, a espontaneidade dos innocentes e dos martyres, á intervenção ridicula emanada pelo papa.


*
* *

Sendo meu intento abordar hoje, minhas IIr.´., alguns assupmtos sociaes mais palpitantes, e que mais ou menos se prendem com o progresso dos povos, é justo que não dê a minha missão por terminada sem vos dizer tambem algumas palavras sobre a emancipação da mulher - assumpto que preoccupa, nos paizes cultos, notaveis cerebrações da ambos os sexos, e pelo qual trabalham denodadamente brilhantes talentos femininos.
Que não de diga lá fóra que dentre os sexo feminino paranaense se não levanta uma unica voz sobre tão magno thema, que deve ser, na nossa epocha, a nossa principal aspiração.
Tomemos, portanto, a fundação da nossa Loja como um magnifico ponto de partida para agirmos mais livremente pela causa feminista. Mas tenhamos constancia. Que o nosso apparecimento no campo da lucta com os nossos adversarios não tenha a duração do relampago que rompe, tremulo, um horizonte nublado, para tornar mais estupida a escuridão. Compenetremo-nos do nosso dever, não poupemos esforços no respectivo combate, para podermos um dia proferir as celebres palavras de Cesar: "chegamos e vencemos".
É possivel que os nossos actos, por mais bem intencionados que sejam, deem pasto à critica de profanos e reaccionarios. Que importa? Resta-nos a suprema consolação de que está do nosso lado, conjunctamente com todos os espiritos adeantados, a briosa e estudiosa mocidade paranaense.
E vós, meus dignos IIr.´., colocae sempre a mulher ao vosso lado, nos mais nobres empreendimentos da vida; deixae que ella se guie pelos seus inspiradores predicados - amor, dignidade, intelligencia, factores poderosos, unicos, da celeridade do progresso humano, e ella será um imprescindivel e firme esteio para a consecução dos elevados fins pelos quaes todos nós nos devemos desvelar.
Ao teminar, carissimas IIr? e dignos IIr?, estas phrases tão incorrectas, por certo, na sua construcção litteraria, tão toscas na sua lapidação artística, mas valiosissimas na sua sinceridade porque me vieram do coração, eu faço os mais sinceros votos para na altiva e pura fonte das Filhas da Acacia jamais se offusque a aureola que nellas deve irradiar do extensivo cumprimento do dever - persuasiva e solenemente imposto pela antiga, prestigiosa e veneranda Instituição Maçonica.
Marianna Coelho".

Transcrito da Coleção “A Maçonaria no Paraná” – vol 1 pág. 320 a 329.